Um ano de trabalho remoto: 12 meses em 12 cidades

RY – REMOTE YEAR

 

O que tenho ouvido ultimamente: “Tifa, estou amando suas fotos, mas o que você está fazendo?”. Hm… sempre demoro um pouco para responder isso, especialmente porque o conceito de “trabalhar remotamente” é algo relativamente novo e pouco explorado no Brasil, então vou tentar explicar o que é o programa “Remote Year”, o que ele oferece, como eu consegui unir minha vida profissional com os meus interesses pessoais e como as coisas estão indo até o momento, mas antes de mais nada acho que eu preciso me apresentar:

Hola! Me chamo Stephanie (mais conhecida como Tifa/Teté), tenho 25 anos – 26 em fevereiro, iei – sou advogada e trabalho com 16114063_10158070249610228_1442983229545719140_nentretenimento e propriedade intelectual, tenho uma tatuagem de dinossauro na perna (sim, é o dinossauro do Google que
aparece nos gloriosos momentos em que você não tem internet), ele me acompanha em todos os lugares, obviamente ele não tem muita opção, e agora ele me acompanhará por 1 ano, morando 1 mês em cada cidade, trabalhando remotamente enquanto viajo o mundo com mais 79 pessoas. OK, mas como isso funciona? Vou tentar agrupar isso em algumas FAQ pontuais:

O que é Remote Year (RY para os íntimos)?

O RY é um programa americano que tem como objetivo unir a possibilidade de trabalhar remotamente enquanto você viaja o mundo. O RY não é um provedor de empregos, você deve ter o seu próprio emprego (seja qual for a sua profissão, se você conseguir fazer isso remotamente, esse é o seu lugar) e com isso criar (se ela ainda não existe para você) a possibilidade de
trabalhar ao mesmo tempo.

A ideia do programa é fornecer toda a estrutura de um local de trabalho com internet 100% confiável (claro, sempre temos os nossos contratempos) e unir isso à experiência de viver em cada uma das 12 cidades pelas quais iremos passar um mês em cada.

12 cidades? Qual o seu itinerário?

Sim, 12 cidades! O meu RY começou em janeiro na Cidade do México, e agora, após um mês completo de tacos, guacamoles e mezcal estou em Bogotá, Colômbia, até o final de Fevereiro, após Bogotá o meu roteiro é o seguinte:

  • Março: Medellin, Colômbia
  • Abril: Lima, Peru
  • Maio: Cordoba, Argentina
  • Junho: Buenos Aires, Argentina
  • Julho: Praga, República Tcheca
  • Agosto: Belgrado, Sérvia
  • Setembro: Valencia, Espanha
  • Outubro: Kuala Lumpur, Malásia
  • Novembro: Chiang Mai, Tailândia
  • Dezembro: Phnom Penh, Camboja

Então é isso: durante 1 ano completo – de 01.01.2017 a 31.12.2017 –morarei nestas cidades junto à outras 79 pessoas incríveis que decidiram, por diferentes razões, se inscrever no Remote Year.

QUÊ? 80 pessoas por todo o ano? Quem são esses seres?

Yep, outros 79 seres estão embarcando nesta aventura comigo, sendo 70% dos Estados Unidos e os 30% restante do resto do mundo. Cada um com o seu trabalho, ou na busca de um, diferentes culturas, backgrounds, mas todos querendo viver essa experiência de ser parte de algo maior; conhecer lugares novos e ainda conseguir se elevar profissionalmente.

Particularmente confesso que o que me atraiu no programa foi a ideia de viajar o mundo, mas eu não tinha ideia de que eu ia acabar encontrando uma família (clichê, eu sei, mas verdade), uma organização ímpar e literalmente, so far, 31 dias intensos de programação e álcool (sorry mama, mas precisava provar as bebidas locais – nota 7,5 para o mezcal no México)

 

16142748_10158126368965228_7674615691313976593_n

Demais, mas onde você mora e trabalha?

As 80 pessoas são divididas em apartamentos pela cidade e você pode ficar sozinho ou ter roommates, dependendo da sua preferência, mas sempre em quartos individuais.

Como eu sempre morei com os meus pais e adoro conhecer novas pessoas escolhi ficar com roommates e no México morei com um francês e um inglês – The International House – em um apartamento maravilhoso e, particularmente, acho que vai demorar para achar roommates como eles (s2).

Beleza, entendi…E como você descobriu o programa? Tenho que pagar algo?

Como uma boa procrast…digo, fanática por Buzzfeed, um dos posts que eu li era sobre a possibilidade de trabalhar remotamente. Vi que o RY já havia sido divulgado em diversas mídias, mas quase todas nos Estados Unidos, então resolvi fuçar.

Gostei da ideia, me inscrevi (basicamente você precisa preencher um formulário com questões sobre o seu trabalho e sobre a sua personalidade), marcaram uma entrevista por Skype com uma das pessoas que trabalhava para o programa e fui aceita! Sim, depois de me inscrever 3 vezes no programa fui finalmente aceita.

Assim, atualmente faço parte do 8º programa do RY, chamado “Meraki”. Pago um fee mensal que inclui todas as passagens (exceto ida e volta para o Brasil), transporte do aeroporto para os apartamentos, hospedagem e eventos pelo mês (os quais incluem desde trilhas até jantares com artistas locais, dependendo da sua preferência).

Mas como você consegue ser advogada e trabalhar remotamente?

Bom, como eu trabalho basicamente com contratos eu consigo fazer tudo pelo meu computador usando o email como ferramenta principal de comunicação, e claramente toda a tecnologia de hoje em dia está ao nosso favor, temos Google call, Skype, wi-fi, WhatsApp, WhatsApp call, e uma infinidade de outras opções e ferramentas que ajudam pessoas que trabalham remotamente a administrar o seu tempo e se organizar.

tete

Além da possibilidade de fazer o meu trabalho remotamente eu tive um chefe que desde o primeiro momento me apoiou e tem me apoiado, além de ser um escritório com uma mentalidade diferente eu estou me esforçando para fazer isso funcionar. Considerando que estou fazendo isso (remote job) pela primeira vez até o momento acho que está funcionado e espero que continue funcionando até o final do ano.

Após longamente responder à essas perguntas, no próximo post iriei falar um pouco do meu mês na Cidade do México, e uau que experiência… Stay tuned.

Obs: sei que é muito para entender e espero que eu tenha passado a mensagem e conseguido explicar um pouco do que é o RY, mas se você ainda quer saber mais do programa vou adorar contar um pouco mais e dar mais detalhes e mostrar um pouco mais da minha viagem (junto ao Dino), então aqui estão meus contatos:

 

7 Comentários

  1. Rayssa Dalbensays:

    Nossa, ando namorando o RY há algum tempo já. Foi ótimo ler o depoimento de uma brasileira nele justo neste momento. Vou ficar ligada nos próximos! E ah, estou morando em Bogotá, está curtindo aqui? Caso precise de algo ou queira alguma dica este mês, vou ficar feliz em ajudar 😀

    • Go Alongsays:

      Fique ligada que vamos acompanhar o ano dela por aqui! 🙂

    • Stephanie De Schryversays:

      Rayssa, até agora amando! Quer marcar um café e falamos de Bogotá e RY? Se quiser, me manda um email ou me adiciona no FB e vamos nos falando. Beijos

  2. Ana Bovesays:

    Você é demais Té! Que oportunidade única!!!
    Aproveita muito!!!

  3. Rosane Consonnisays:

    Interessantíssimo! Experiência unica. Espero poder acompanhar todo mes!!

  4. Mérciasays:

    AAAAAAAAA que maravilhosaaaaa MDS. . como q se inscreve ? Precisa ter curso superior, alguma coisa do tipo ?

  5. Víviansays:

    Oi Stephanie, tudo bem? Eu fui selecionada no último programa do Remote Year e estou em processo de tentar convencer a minha chefe a me deixar participar rsrs!! Acho até que vou usar esse seu post no meu business case (só estou apreensiva com a parte do “muito alcool”)! Eu te adicionei no facebook e queria depois tirar algumas dúvidas com você, se possível! Desde já agradeço!

Deixe um comentário

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked