Sendo a única intercambista na escola, como foram os 6 meses de High School na Irlanda

A Irlanda é um destino bastante atrativo entre os jovens por ser um país com uma cultura super interessante e possuir o inglês como língua nativa. Além disso, este lugar possui menos brasileiros do que Estados Unidos ou Inglaterra, que são locais mais populares para estudar ou aprender a língua inglesa.

Hoje falamos com a Vittoria, que morou em Drogheda aos 15 anos de idade (em 2010), durante o segundo colegial, estudando em um colégio católico feminino. Enquanto planejava sua viagem, ela sabia que queria ir para um lugar com poucos brasileiros, para conhecer a cultura e praticar a língua integralmente. Foi assim que chegou a decisão de fazer um intercâmbio para a Irlanda.

Veja como foi a experiência dela:

Como você descobriu o curso?

Minha irmã dela tinha feito High School na África do Sul, então foi daí que a ideia surgiu, e também sempre gostei viajar. Queria um lugar diferente mas não quis ir para o mesmo país que minha irmã foi.

Descobri a opção de ir para a Irlanda pela Experimento. Chegando lá, eu era a única intercambista da escola.

Como você se inscreveu?

Cheguei a pesquisar um pouco sobre outros países, mas escolhi Irlanda. A inscrição foi feita através da Experimento. Como a agência tinha mandado poucas pessoas para lá, consegui falar com algumas delas para saber como tinha sido a experiência. Depois fiz um teste de inglês da própria agência e já estava matriculada na escola.

Como foi lidar com uma nova língua?

Foi diferente principalmente pelo inglês deles ter um sotaque muito forte. Então mesmo eu falando pouco quando cheguei, demorou um pouco para me acostumar. Mas depois passa e fica fácil.

O que achou de estudar em uma escola só para mulheres?

Gostei, mas não sei se gostaria para sempre. Por ter um prazo determinado acho que foi muito bom. 

irlanda

Como achou moradia?

Morava em uma casa de família que já recebia  intercambistas há mais de 30 anos. Minha “mãe de intercâmbio”  era a própria coordenadora do intercâmbio, então sempre podia contar com ela para qualquer coisa. Ela era casada com 3 filhos já crescidos, tinha netos também. Convivia bastante com eles, mesmo eles não morando mais na mesma casa.

Vista do meu quarto

Como era seu dia a dia? 

Ía andando de casa para a aula, que começava as 9h da manhã. Depois almoçava na própria escola e continuava por lá até as 16h quando terminava.

Após o fim das aulas, normalmente ía para o centro com meus amigos jantar, ou jantava em casa ou ía para uma academia que me inscrevi lá.

centro de Drogheda
Centro de Drogheda

 

O que fazia nos finais de semana?

Normalmente viajava pela Irlanda, ía pra Dublin que era 30 minutos de ônibus, onde tinha uma amiga morando. Então sempre combinávamos alguma viagem, mas por ter menos de 16 anos, não podia sair do país.

No final do intercâmbio, completei 16 anos e fiz um mochilão de 2 meses pela Europa com essa amiga. Conheci Irlando do Norte, Alemanha, Holanda, Inglaterra, França, Portugal e Itália.

Carrick-a-Rede Rope Bridge -- Irlanda do Norte
Irlanda do Norte

 

O que achou das aulas quando comparadas com as do Brasil?

Gostei muito pois lá você pode escolher algumas matéria que queira cursar. E como não pediram para eu igualar com o curso do Brasil, aproveitei para estudar coisas diferentes como culinária e costura.

Outra coisa que gostava muito era o fato de sair da escola para aprender. Íamos muito a teatros, exposições, galerias de arte e museus. E tinha que estudar bastante, eles cobravam boas notas.

Um desafio?

Foi a mudança total de uma escola tão diferente para outra, um clima oposto ao do Brasil onde é praticamente inverno o ano inteiro, com um verão de no máximo 21 graus Celsius. Mas consegui me adaptar fácil, foram 6 meses que me senti muito bem.

O que mais gostou? 

Os irlandeses possuem uma cultura muito forte que implementam bastante no dia a dia.

Algo que me marcou bastante é o fato deles falarem inglês mas mesmo assim ensinar irlandês nas escolas. Eles não deixam a língua morrer.

Temple Bar - Dublin
Temple Bar – Dublin

 

O que evitar? 

Evitaria ir para cidade com muitos brasileiros. Voltei para a Irlanda ano passado para visitar e agora tem muitos brasileiros, principalmente nas cidades mais conhecidas.

Acredito que a partir do momento que você sai do seu país em busca de uma nova cultura, é preciso buscar algo diferente do que está acostumado. 

Trinity College - Dublin
Trinity College – Dublin

 

Dicas úteis?

Aproveite para visitar a Irlanda inteira! É um país lindo com uma natureza incrível. Tente conhecer os irlandeses, pois eles são pessoas muito boas e atenciosas.

E também conhecer novos países pela facilidade de viajar.

 

Deixe um comentário

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked