2 meses estagiando em um escritório de arquitetura no Líbano

Experiências profissionais pelo mundo, além de serem um  grande atrativo para o seu currículo, são também experiências únicas e diferentes, onde você pode não só aprender com o seu trabalho mas também com a cultura de onde vive. Conhecer estilos e ritmos diferentes, te mostram outros meios de trabalho e abrem sua cabeça.

Foi o que aconteceu com a Maria Vittoria, que fez um estágio de 2 meses em um escritório de arquitetura no Líbano. Ela viajou com a empresa IAESTE – Abipe, que organiza esses estágios no exterior. Aqui no Brasil, essa empresa tem um escritório na Avenida Paulista e qualquer pessoa se graduando pode tentar se inscrever. No Líbano o escritório fica dentro da AUB. O estágio era remunerado, com salário em dólares.

Veja o que mais ela nos contou:

Motivo:

Sempre pensei em ir para a Europa estagiar e apareceu essa vaga no Líbano. Ai pensei: porque não? Quando mais iria para o Líbano? Ai pensei que seria uma experiência muito legal em local tão diferente e decidi tentar. 

Como era o escritório de arquitetura que trabalhava?

Era um escritório cristão e  tinha mais uma estagiária além de mim. Trabalhava de segunda a sexta das 8h às 17h30, com meia hora de almoço.

Eu falava em inglês e eles falavam árabe, inglês e francês. Praticamente os libaneses falam essas 3 línguas de um modo geral. E no escritório todos os documentos eram em inglês.

Eu fazia a parte de desenhos e era um estilo muito diferente, algo mais antigo e não contemporâneo como nós usamos.

Senti uma diferença em função e estilo, o ritmo variava com a demanda de projetos. Só ficava no escritório.

Entre os dois arquitetos, que eram um casal, a mulher ficava só no escritório e o marido em obra. Então ela era minha chefe direta.

Como você se inscreveu?

Normalmente você se inscreve no começo do ano e aí precisa juntar pontos para concorrer a vaga. Como buscar outros intercambistas no aeroporto, sair para fazer programas culturais, tudo isso aqui no brasil.

Aí, a partir do momento que você quer a vaga, você paga 1.600 reais (cada país é diferente) e depois que você se interessa, manda os documentos necessários (tem uma lista de requisitos) e o escritório brasileiro manda para o escritório do país de destino que fala com a empresa.

Pra essa vaga precisei mandar meu CV e meu portfólio.

Como achou moradia?

Fiquei no dormitório da faculdade e dividia o quarto com uma menina do Iêmen, ai quando começamos a nos aproximar ela já estava quase indo embora.

Como era seu dia a dia? 

Acordava para trabalhar e ficava no escritório o dia inteiro. Como era verão, tinha sol até as 8h da noite. Saía do trabalho e chegava umas 6h no quarto, descansava um pouco e saía com os amigos.

Avenida onde fica a AUB

O que fazia nos finais de semana?

Viajei todos os finais de semana. Do mesmo jeito que tem pontos no Brasil, lá tbm tem. E os intercambistas que foram sempre organizam viagem. Fui pra Byblos, Baalbek e todas as cidades maiores. Era bem diferente e por isso superou muito minhas expectativas.

souks em Byblos
Souks em Byblos

Teve algum impacto cultural?

Achei que teria, mas lá não é nada do que imaginava. Lá as muçulmanas são mais tranquilas. Não teve esse choque.

E a comida é muito boa! Melhor comida árabe que já comi.

Um desafio?

Foi convencer meus pais e amigos de que ía. As pessoas perguntavam o que eu iria fazer lá.

A principio, meus pais falaram que não poderia ir, mas falei que queria muito. Então meu pai foi falar com um amigo libanês, para saber mais sobre o país e o amigo dele falou que era muito seguro, que não é nada como imaginamos. Depois disso ele deixou.

Chegando lá, vi que existem muitos refugiados sírios. Mas não senti medo em nenhum momento.

A única vez que senti algum receio foi quando fui viajar para Baalbek, que é na fronteira com a Síria, e pediam para o grupo ficar junto. Mas mesmo assim, por conta de guerra não teve nenhum problema.

ruínas em Baalbek 2
ruínas em Baalbek

O que mais gostou?

Das festas. Muito melhores que as de São Paulo. A balada deles é tudo muito grande, a maioria tem céu aberto e eles gostam muito de festa. Qualquer dia da semana você encontra algo acontecendo e o estilo de música não é algo local.

Eu amei a experiência por ser um dos países mais velhos do mundo; é um país com muita história e as pessoas querem manter isso sempre vivo, mesmo com todo sofrimento que já passaram por causa das guerras. 

O que evitar?

As pessoas precisam que saber onde ir e se existem qualquer tipo de riscos. Existem passeios que não são tão seguros.

Dicas úteis?

Aproveite para conhecer o Líbano inteiro.  Tente conhecer as pessoas de lá porque elas vão te levar para lugares que só locais conhecem. Não tenha a mente fechada para ir para esse lado do mundo.

Lá é um lugar que supera todas as expectativas e é muito legal.

Veja também:

 

4 Comentários

  1. OI, tudo bem, gostaria de saber quanto vc gastou em media com a viagem e esses dois meses lá, e o valor do salario do estagio.

    att.
    Rodrigo Camargo

  2. Manoelasays:

    Adorei esse relato! Eu visitei o Líbano em 2011 e conheci muita gente legal lá! Em 2012 voltei porque gostei muito. Tive exatamente as mesmas impressões que a Maria Vittoria, em relação as pessoas, culturas e festas. Encontrei esse relato porque esse ano estou tentando uma vaga de estágio na Polonia pela ABIPE também. Para quem chegou aqui porque pretende ir para o Líbano, aqui tem mais uma pessoa que indica ir para esse país.

  3. Rusdysays:

    Oie Vittoria! Bem?

    Gostaria de saber se vc tem algumas dicas sobre qualquer arquitetura, pode ser tradicional, social, ambiental, etc para visitar? Tem blog sobre arquitetura no Líbano especificamente?

    Grato!

Deixe um comentário

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked